Presidente da ACAERT assina artigo em jornal estadual

(18/07) Texto destaca avanços com a reabertura do “Espaço do Radiodifusor”

REPRESENTATIVIDADE

Uma das eternas bandeiras da Radiodifusão catarinense, defendidas pela ACAERT, sempre foi a busca do reconhecimento e valorização do segmento. Nas últimas décadas, várias ações foram implementadas para alcançar esse objetivo. Entre elas, o estreitamento das relações dos radiodifusores com as várias organizações que influenciam no dia-a-dia das emissoras de rádio e TV.

Neste sentido, a ACAERT e suas associadas trabalham, por exemplo, para estabelecer um diálogo franco com órgãos governamentais, como o Ministério das Comunicações (hoje, MCTIC). É consenso entre as partes que a burocracia é o principal problema no Ministério. Isso provoca um atraso na análise de milhares de documentos tanto de outorga como de renovação. O que, na maioria das vezes, significa prejuízo para as emissoras.

O relacionamento do setor com o Ministério é regulado pelos movimentos cíclicos dos interesses das gestões federais pelo assunto. Por isso, a iniciativa em recriar o chamado “Espaço do Radiodifusor” dentro do Ministério só merece elogio. Méritos da secretária de Serviços de Comunicação Eletrônica do MCTIC, Vanda Bonna Nogueira e de sua equipe. Ainda mais agora neste período de implantação da TV Digital e de migração das AMs para o FM, que ainda suscita muitas dúvidas.

Com a reabertura dessa estrutura, o radiodifusor ou seu representante, como advogado ou engenheiro, terá um atendimento personalizado sobre os seus processos em tramitação. Isso evita o transtorno do vai-e-vem de informação e da papelada que alimentam os ritos burocráticos.

Na verdade, o governo interino deveria aproveitar a iniciativa para fortalecer as representações do Ministério espalhadas pelo país. Desde 2010, opera em Florianópolis, a Delegacia Regional do Ministério, que atende a radiodifusão do Sul do país. Essa é uma conquista que não pode ser desprezada.

A descentralização já demonstrou sua importância, portanto, fortalecer as estruturas regionais é uma necessidade. Ou seja, o Ministério mais perto do radiodifusor não só traria mais benefícios para as partes, como também para a boa gestão da coisa pública.

Rubens Olbrisch

Presidente ACAERT

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa ACAERT